Português Italian English Spanish

Ensaios de viveiro de camarão branco do Pacífico em água do mar e água de baixa salinidade utilizando um sistema simbiótico

Ensaios de viveiro de camarão branco do Pacífico em água do mar e água de baixa salinidade utilizando um sistema simbiótico

Data de Publicação: 11 de janeiro de 2022 13:56:00
O uso de farelo de arroz e trigo como fontes de carbono orgânico auxilia no controle significativo de compostos nitrogenados e no aumento da produção em sistemas de viveiro de L. vannamei

 

*Por Luis Otavio Brito da Silva, Ph.D.;  Allyne Elins Moreira da Silva, M.Sc.; Caio Rubens do Rêgo Oliveira Danielle Alves da Silva, M.Sc.b;  Elizabeth Pereira dos Santos, M.Sc.; Otávio Augusto Lacerda Ferreira Pimentel, M.Sc.;  Priscila Celes Maciel de Lima, M.Sc.; Rildo José Vasconcelos de Andrade, M.Sc. Valdemir Queiroz de Oliveira, M.Sc.; Suzianny Maria Bezerra Cabral da Silva, Ph.D. e Alfredo Olivera Gálvez, Ph.D.

Este estudo avaliou o desempenho de pós-larvas de L. vannamei em sistema de viveiro simbiótico (água do mar e água de baixa salinidade) com farelo de arroz e farelo de trigo como fontes de carbono orgânico. Os resultados mostraram que esta abordagem pode fornecer controle significativo de compostos nitrogenados (nitrogênio amoniacal total e nitrito-nitrogênio) e ajudar a manter a qualidade da água, além de melhorar o desempenho zootécnico do camarão nutrido.

 

Em sistemas de cultivo intensivo de camarão branco do Pacífico ( Litopenaeus vannamei ) com troca mínima de água, a comunidade microbiana (bactérias heterotróficas e nitrificantes) é estimulada pelo suprimento de carbono orgânico na água que suporta a transformação de compostos nitrogenados em compostos menos tóxicos (ou seja, nitrato) e também na biomassa microbiana. Várias fontes de carbono orgânico têm sido utilizadas (incluindo melaço, farelo vegetal, dextrose e açúcar) para estimular o crescimento bacteriano. No entanto, nos últimos anos, novas estratégias como os simbióticos têm sido incorporadas à produção aquícola intensiva, que são consideradas de alto potencial para a carcinicultura.

Os sistemas simbióticos resultam de processos anaeróbios e/ou aeróbicos realizados por microrganismos (probióticos) em substratos vegetais ou animais, farelo e outros carboidratos (prebióticos). Assim, os microrganismos probióticos promovem a quebra de moléculas orgânicas complexas em moléculas mais simples e fornecem quantidades equilibradas de micronutrientes e macronutrientes aos animais do sistema de aquicultura. Além disso, há produção substancial de ácidos orgânicos, como os ácidos lático, acético e butírico. Essa estratégia proporciona um maior equilíbrio entre os microrganismos e uma menor oferta de carbono orgânico no sistema.

Este artigo apresenta os resultados de um estudo que avaliou os efeitos de processos anaeróbios e aeróbicos utilizando farelo de arroz e farelo de trigo como fontes de carbono orgânico (simbiótico) no crescimento de pós-larvas de L. vannamei (PL) em sistemas de viveiro de água do mar e água de baixa salinidade.

Configuração do estudo

Os estudos foram realizados na Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Brasil, com três ensaios com água do mar e água de baixa salinidade. Para o teste de água do mar, um tanque de água com salinidade de 35 gramas por litro (g/L) foi clorado com 13 mg/L de cloro e declorado por aeração por 72 horas. Em seguida, foi aplicado um tratamento de adubação inorgânica com uréia (4,5 g N/m³), superfosfato triplo (0,3 g P/m³) e silicato de sódio (0,23 g Si/m³). No teste de água de baixa salinidade, um tanque contendo água do mar diluída em água doce a uma salinidade de 2 g/L foi clorado com 13 mg/L de cloro e desclorado por aeração durante 72 horas. Em seguida, realizou-se a adubação orgânica como no ensaio com água do mar.

Pós- larvas de L. vannamei, com 10 a 24 dias de idade (PL 10-24 ), foram estocadas na densidade de 2.000 a 3.000 camarões/m³ em unidades experimentais (40 e 60-L de volume útil). Os PL foram alimentados com ração comercial para camarão (45% de proteína bruta e 9,5% de lipídios) quatro vezes ao dia. A taxa de alimentação foi ajustada semanalmente com base no crescimento dos camarões, consumo estimado e mortalidade.

Para avaliar o desempenho zootécnico dos camarões, ao final de cada ensaio, os animais foram pesados ??para determinar seu peso final (g), taxa de conversão alimentar (TCA), rendimento (Kg/m³) e taxa de sobrevivência (percentual).

Algumas variáveis ??de qualidade da água nas unidades experimentais, como oxigênio dissolvido (OD, mg/L), temperatura (graus-C) e salinidade (g/L), foram monitoradas diariamente. Outras variáveis ??de qualidade da água como nitrogênio amoniacal total (TAN, mg/L), nitrito-N (NO 2 – -N, mg/L) e alcalinidade (mg CaCO 3 /L) foram medidas semanalmente.

Primeiro julgamento

A adubação orgânica foi realizada com cerca de 10 aplicações do adubo. O fertilizante foi processado por uma fase anaeróbica por 48 horas e uma fase aeróbia por 24 horas. Durante o período experimental, o fertilizante foi adicionado às unidades experimentais a cada três dias durante os 42 dias do ensaio. O adubo orgânico foi composto por farelo de trigo (50 a 22,5 g/m³), melaço (25 a 12 g/m³) e bicarbonato de sódio (10 a 4,5 g/m³). Também adicionamos (a 0,5 g/m³) um produto comercial à base de bactérias (Kayros Ambiental e Agrícola, Brasil) contendo Bacillus subtilis, B. licheniformis, Lactobacillus sp., Saccharomyces sp. e Pseudomonas sp. tensões em 7,7 x 10 8 UFC (unidades formadoras de colônias) por grama e água do mar previamente clorada.

Segunda tentativa

A adubação orgânica foi realizada com cerca de 10 aplicações do fertilizante. O fertilizante foi processado por uma fase anaeróbica por 24 horas e uma fase aeróbia por 24 horas. Durante o período experimental, o fertilizante foi adicionado às unidades experimentais a cada três dias durante os 42 dias do ensaio. O adubo orgânico foi composto por farelo de arroz (< 200 μm, 20 g/m³), melaço (2 g/m³), bicarbonato de sódio (4 g/m³). Também adicionamos (a 0,5 g/m³) o produto comercial à base de bactérias (Kayros Ambiental e Agrícola, Brasil) contendo Bacillus subtilis, B. licheniformis, Lactobacillus sp., Saccharomyces sp. e Pseudomonas sp. cepas de 5,5 a 6,5 ??x 10 7 UFC por grama e água do mar previamente clorada.

Terceiro teste

A adubação orgânica foi realizada com cerca de 8 a 10 aplicações do fertilizante. O fertilizante foi processado por uma fase anaeróbica por 24 horas e uma fase aeróbia por 24 horas. Durante o período experimental, o fertilizante foi adicionado às unidades experimentais a cada três dias durante os 40 dias do ensaio. O adubo orgânico foi composto por farelo de arroz < 200 μm (20 g/m³), melaço (2 g/m³), bicarbonato de sódio (4 g/m³).

Também adicionamos (a 0,5 g/m³) o produto comercial à base de bactérias (Kayros Ambiental e Agrícola, Brasil) contendo Bacillus subtilis, B. licheniformis, Lactobacillus sp., Saccharomyces sp. e Pseudomonas sp. cepas a 6,5 ??x 10 7 UFC por grama e água doce previamente clorada. Além disso, neste ensaio e para apoiar o desenvolvimento da comunidade microbiana e o processo de nitrificação nas unidades experimentais, adicionamos conchas do bivalve Anomalocardia brasiliana como substrato artificial (cobrindo cerca de 28 por cento da área do fundo (25 x 24 x 5 cm) , e correspondendo a 3,36% do volume útil), além de reaproveitar cerca de 15% da água do viveiro de camarões.

 

 

Colheram L. vannamei juvenis criados nos ensaios utilizando um viveiro simbiótico sob água do mar (A) e (B) condições de baixa salinidade da água.

 

Resultados e discussão

As variáveis ??de qualidade da água nos viveiros permaneceram dentro da faixa recomendada para viveiros intensivos de camarão (Tabela 1). Os valores médios foram ≈ 30,0 graus-C para a temperatura da água; Níveis de DO acima de 5,0 mg/L; Níveis de TAN de 0,33 a 0,60 mg/L; NO 2 – Níveis de N de 0,41 a 1,56 mg/L; e alcalinidade mais de 95 mg de CaCO 3 / L.

Brito, Ensaios de berçário, Tabela 1

 

Tabela 1. Dados de qualidade da água para os ensaios de viveiro de L. vannamei em água do mar e condições de água de baixa salinidade usando um sistema simbiótico fertilizado com trigo e farelo de arroz processado por fases anaeróbica e aeróbia. Os dados do ensaio são a média ± desvio padrão. TAN: nitrogênio amoniacal total; NO2 - N: nitrito-nitrogênio.

Os dados de desempenho zootécnico de camarões no viveiro simbiótico com água do mar e condições de água de baixa salinidade nos dias 40-42 são apresentados na Tabela 2. As taxas de sobrevivência foram superiores a 84 por cento, os pesos finais dos camarões foram de 0,85 a 0,98 gramas e as taxas médias de conversão alimentar foram de 1,20 – 1,34, atingindo um rendimento de camarão de 1,53 – 2,50 Kg/m³ (Tabela 2).

Brito, Ensaios de berçário, Tabela 2

 

Tabela 2. Desempenho das pós-larvas de L. vannamei cultivadas em água do mar e condições de água de baixa salinidade usando um sistema simbiótico fertilizado com trigo e farelo de arroz processado por fases anaeróbica e aeróbia. Os dados do ensaio são a média ± desvio padrão. FCR: taxa de conversão alimentar.

Com base nos resultados do nosso estudo, mostramos que a combinação do processamento anaeróbio e aeróbio de farelo de trigo e farelo de arroz por microrganismos e seu uso como fonte de carbono orgânico, e também o uso de substrato artificial em viveiros de L. vannamei são uma alternativa viável para fertilização do sistema simbiótico com troca mínima de água. Essa abordagem permite maior controle do nitrogênio amoniacal total e nitrito-nitrogênio em sistemas de água do mar e água de baixa salinidade, diferentemente do que ocorre em sistemas intensivos com mínima troca de água com baixa salinidade, que têm demonstrado alta mortalidade aos camarões cultivados devido à toxicidade desses Compostos de Nitrogênio.

No geral, nossos resultados demonstraram que o uso do método de fertilização de água que usamos contribui positivamente para o crescimento de bactérias benéficas heterotróficas e nitrificantes e, portanto, melhora o crescimento e a sobrevivência dos camarões em água do mar e condições de água de baixa salinidade.

Perspectivas

Os resultados do nosso estudo mostram que a administração combinada de farelo vegetal (anaeróbio e aeróbio) como fonte de carbono orgânico e probióticos (simbiótico), substrato artificial e reuso de água proporciona controle significativo de compostos nitrogenados (TAN e NO 2 – -N) e efeitos positivos no crescimento de Litopenaeus vannamei em viveiros com água do mar e água de baixa salinidade.

Referências disponíveis do autor correspondente.

*LUIS OTAVIO BRITO DA SILVA, PH.D., Professor
Correspondente Departamento de Pesca e Aquicultura
Universidade Federal Rural de Pernambuco
Recife, Brasil engpescalo@hotmail.com;

ALLYNE ELINS MOREIRA DA SILVA, M.SC. Departamento de Pesca e Aquicultura Universidade Federal Rural de Pernambuco
Recife, Brasil;

CAIO RUBENS DO RÊGO OLIVEIRA,  Mestranda
Departamento de Pesca e Aquicultura
Universidade Federal Rural de Pernambuco
Recife, Brasil;

DANIELLE ALVES DA SILVA, M.SC.B, Departamento de Pesca e Aquicultura Universidade Federal Rural de Pernambuco
Recife, Brasil;

ELIZABETH PEREIRA DOS SANTOS, M.SC.,  Departamento de Pesca e Aquicultura, Universidade Federal Rural de Pernambuco
Recife, Brasil;

OTÁVIO AUGUSTO LACERDA FERREIRA PIMENTEL, M.SC., Departamento de Pesca e Aquicultura
Universidade Federal Rural de Pernambuco
Recife, Brasil;

PRISCILA CELES MACIEL DE LIMA, M.SC.,  Departamento de Pesca e Aquicultura,  Universidade Federal Rural de Pernambuco,  Recife, Brasil;

RILDO JOSÉ VASCONCELOS DE ANDRADE, M.SC., Departamento de Pesca e Aquicultura, Universidade Federal Rural de Pernambuco
Recife, Brasil;

VALDEMIR QUEIROZ DE OLIVEIRA, M.SC., Departamento de Pesca e Aquicultura da Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Brasil; e Embrapa Meio-Norte
Parnaíba, Brasil;

SUZIANNY MARIA BEZERRA CABRAL DA SILVA, PH.D., Professor
Departamento de Pesca e Aquicultura da Universidade Federal Rural de Pernambuco
Recife, Brasil e

ALFREDO OLIVERA GÁLVEZ, PH.D.,  Professor
Departamento de Pesca e Aquicultura
Universidade Federal Rural de Pernambuco
Recife, Brasil

*Artigo publicado no site da Global Seafood Alliance, instituição que  promove práticas responsáveis ??de frutos do mar em todo o mundo por meio de educação, defesa e demonstração. A GSA convoca líderes da indústria de frutos do mar, academia e ONGs para colaborar em questões transversais como responsabilidade ambiental e social, saúde e bem-estar animal, segurança alimentar e muito mais. A GSA é uma organização orientada por membros. Os membros incluem produtores certificados, empresas e indivíduos.

 

  Veja Mais
Exibindo de 133 a 136 resultados (total: 144)

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário