Português Italian English Spanish

COFI 34 – “A pesca e a aquicultura são uma parte crítica da transformação dos sistemas agroalimentares, afirma o Diretor-Geral da FAO

COFI 34 – “A pesca e a aquicultura são uma parte crítica da transformação dos sistemas agroalimentares, afirma o Diretor-Geral da FAO


Ele dirigiu a abertura da 34 ª sessão do Comitê das Pescas da FAO (COFI), que é o fórum intergovernamental única global onde a FAO e seus membros se reúnem para revisar e considerar as questões e desafios relacionados à pesca e a aquicultura

*Da Redação

A pesca e a aquicultura são de importância crítica para a segurança alimentar global, bem como para a recuperação da crise COVID-19, disse o Diretor-Geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), QU Dongyu, nesta segunda-feira, 1º.

Ele  dirigiu a abertura da 34 ª sessão do Comitê das Pescas da FAO (COFI), que é o fórum intergovernamental única global onde a FAO e seus  membros se reúnem para revisar e considerar as questões e desafios relacionados à pesca e a aquicultura. O evento está sendo realizado virtualmente pela primeira vez.

Em suas observações, Qu observou que a pandemia COVID-19 afetou o setor de pesca e aquicultura por meio de mudanças nas demandas dos consumidores, acesso ao mercado e problemas logísticos relacionados ao transporte e restrições de fronteira. Ele também destacou que a pesca e a aquicultura são essenciais para que a economia mundial se recupere melhor da crise do COVID-19.

- O setor de pesca e aquicultura tem uma contribuição crucial a dar dentro dos Quatro Melhores: Melhor Produção, Melhor Nutrição, Melhor Meio Ambiente e Melhor Vida – disse. 

- O potencial de uma aquicultura moderna para crescer e alimentar o mundo é extraordinário -  continuou, observando que 10% da população mundial depende do setor de pesca e aquicultura para sua subsistência, principalmente pequenos produtores que precisam de apoio.

O Diretor-Geral também destacou os benefícios do pescado na alimentação (Foto: Antônio Oliveira/Cerrado Comunicação)

O Estado da Pesca e Aquicultura Mundial da FAO (SOFIA) , emitido em junho de 2020, estima que a produção total de peixes deve aumentar para 204 milhões de toneladas em 2030, um aumento de 15%  em relação a 2018, com a participação da aquicultura crescendo dos atuais 46 por cento. A aquicultura tem sido o setor de produção de alimentos que se expande mais rapidamente em todo o mundo nos últimos 50 anos, crescendo a uma média de 5,3% ao ano desde a virada do século.

O Diretor-Geral convidou os membros da FAO a aproveitarem o COFI 34 para discutir como a produção, processamento, comércio e consumo de alimentos aquáticos podem ser transformados como parte de uma transformação mais ampla dos sistemas agroalimentares, tornando-os mais sustentáveis, resilientes e inclusivos.

- Sabemos que a terra por si só não vai nos alimentar com quantidade abundante e diversidade de alimentos - precisamos da Blue Transformation para garantir a produção da Blue Food -  acrescentou ele, enfatizando a importância de modernizar a cultura pesqueira tradicional com abordagens inovadoras e tecnologias digitais.

- Combinar a pesca com o turismo e atividades educacionais é uma forma de manter vivo o patrimônio cultural e criar novos valores e novas oportunidades de emprego - disse Qu como exemplo.

O Diretor-Geral também destacou os benefícios do pescado na alimentação, especialmente para gestantes, crianças e no combate a todas as formas de desnutrição, destacando que o pescado deve ser promovido nas estratégias de alimentação e nutrição em todo o mundo. 

O Código de Conduta para Pesca Responsável da FAO completa 25 anos

Código de Conduta para Pesca Responsável da FAO completou 25 anos no ano passado. Foi adotado pela Conferência da FAO em 1995, um instrumento de referência, que tem orientado os esforços para a pesca e a aquicultura sustentáveis ??em todo o mundo.

O aniversário do Código chega em um momento desafiador, pois a poluição, as mudanças climáticas, a perda de biodiversidade, as práticas não regulamentadas e o aumento da competição pelo uso de áreas marinhas e costeiras estão ameaçando os ecossistemas aquáticos e seus recursos. A FAO estima que 34,2 por cento de todos os estoques de peixes marinhos são pescados além dos limites biológicos sustentáveis, um aumento de três vezes desde o início do monitoramento em 1974.

O COFI 34 também analisará o relatório SOFIA, o papel da pesca em pequena escala e os meios de subsistência das comunidades pesqueiras costeiras e interiores, pesca ilegal e operações de pesca no mar, bem como o papel crítico das mulheres na pós-colheita e no setor de serviços.

*Fonte: FAO, com edição de Cerrado Comunicação